Agentes comunitárias de Saúde participam de reunião na Câmara de Vereadores

DSCN7003.jpg

Na última quinta-feira, dia 16, mais de 30 agentes comunitárias de saúde participaram de uma reunião na Câmara de Vereadores de Três Rios, onde buscaram ajuda junto ao Poder Legislativo para questões trabalhistas que estão afetando a categoria.

Recepcionadas pelo presidente da Câmara de Vereadores, Nilcélio Sá, as agentes também puderam esclarecer dúvidas com os vereadores Robson Souza, Juarez Pereira, Luiz Alberto e Fabiano Oliveira.

Iniciando a conversa, Nilcélio pontuou algumas questões que já tinham sido passadas pela subsecretária de Saúde de Três Rios, Elaine Stelmann: “Iniciamos a conversa com as agentes sendo informadas que a subsecretária de Saúde já está sabendo de algumas situações. Só o fato dela ter se mostrado disposta a melhorar e dar condições para as agentes já aumenta nossas expectativas. Como sempre fiz, vou continuar acompanhando esta situação, porque as agentes de saúde tem um papel importantíssimo e contribuem diretamente para a melhoria da saúde trirriense”, disse.

Durante a conversa, as agentes expuseram as necessidades da categoria, como por exemplo, não recebem insalubridade. “Na verdade, somos a porta de entrada para os pacientes que dependem do SUS (Sistema Única de Saúde) e somos as últimas a serem reconhecidas. Todas as categorias da saúde recebem insalubridade e nós não recebemos, embora façamos o mesmo serviço. Temos contato com sangue, material de coleta, enfim, passamos pelos mesmos riscos de um enfermeiro, um técnico de enfermagem, mas não recebemos”, questionou uma agente.

Outra questão que gerou polêmica foi o Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (Pmaq), do Governo Federal, e que tem o objetivo de incentivar os gestores a melhorar a qualidade dos serviços de saúde oferecidos aos cidadãos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) por meio das equipes de Atenção Básica à Saúde. De acordo com informações do Ministério da Saúde, equipes bem avaliadas recebem do Governo Federal de R$ 7,1 mil a R$ 10,6 mil, de acordo com o perfil social, econômico e cultural, acrescidos ainda pelos recursos das equipes de Saúde Bucal e agentes comunitários de saúde.

“O Pmaq tem o objetivo de estimular o cumprimento de metas nas unidades. Uma busca ativa pela melhoria do serviço e entendemos que é importante, já que cada unidade adere voluntariamente. Precisamos pensar numa forma de melhorar nossa avaliação e beneficiar nossas agentes”, explicou o vereador Juarez Pereira.

O presidente da Câmara de Vereadores, Nilcélio Sá, anotou todas as reivindicações das agentes e vai realizar uma reunião na Secretaria de Saúde para levar as questões que não foram discutidas anteriormente como: reajuste salarial da categoria, que não acontece há três anos segundo as agentes; insalubridade; disponibilização de insumos como protetor solar e bonés.

“As agentes podem estar certas de que continuaremos buscando por melhorias para a categoria. Vamos levar estas questões para a Secretaria de Saúde e tenho certeza de que voltaremos com uma solução para este problema”, finalizou o presidente da Câmara.