Câmara de Vereadores aprova inclusão no orçamento municipal de R$ 6 milhões dos royalties

Vereadores-aprovaram-a-inclusão-de-R-6-milhões-no-orçamento-municipal.jpg
A inclusão de R$ 2 milhões ainda aguarda explicações de pagamento contratual de escritório advocatício

 

Nesta quinta-feira, dia 02, os vereadores aprovaram a inclusão dos royalties no orçamento municipal. Dos R$ 8 milhões encaminhados ao município, R$ 6 milhões foram aprovados.

São R$ 2 milhões para serviços públicos, R$ 2 milhões para obras e R$ 2 milhões para saúde. Este último, aumentado após emenda sugerida pela Comissão Permanente de Saúde e acatada pelos vereadores.

“Como médico, vereador e presidente da Comissão Permanente de Saúde da Câmara, entendo que quando tratamos de saúde, quanto mais recurso empregado, melhor. Precisamos reabastecer nossos postos com medicação, ampliar o número de medicamentos das farmácias da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e do Posto Central e, começar a planejar o retorno dos especialistas e exames complementares. Estamos falando de uma demanda reprimida por cerca de quatro meses, ou seja, 120 dias. A gestora da Saúde vai poder investir no período pós-pandemia”, justificou o vereador Rafael Brasiel.

O vereador Luiz Alberto Barbosa, professor universitário e ex-secretário de Saúde por sete anos, também fez um discurso em favor do aumento da verba destinada à Saúde. “Fiquei muito satisfeito com a sensibilidade do presidente da Comissão de Saúde por essa emenda. Inicialmente, não tinha recurso pra saúde, o projeto foi devolvido e agora retorna com R$ 1 milhão. Estamos no ano da Saúde, precisamos pensar na população que depende do Sistema Único de Saúde, a qual já chega a 90% e elaborar estratégias de atendê-la com qualidade e rapidez. Uma vida é muito mais importante do que a pintura do meio-fio. Com essa alteração, a Secretaria de Saúde vai poder planejar e trabalhar para atender parte desta demanda reprimida. Estamos falando de atenção especial na ponta de atendimento, nas Unidades Básicas de Saúde. Uma ação voltada pros hipertensos, diabéticos, pacientes psiquiátricos, pacientes crônicos, dentre outras demandas, que precisam de atenção constante e regular e estão há quatro meses paradas”, defendeu o vereador Luiz Alberto Barbosa.

Os R$ 2 milhões restantes foram retirados para esclarecimentos de pagamento contratual e voltarão à discussão após envio de documentos por parte do Poder Executivo. “Na verdade, essa foi a maneira que encontramos pra não deixar de votar esse projeto, mais uma vez, e engessar a utilização deste recurso. Alguns vereadores tem dúvida em relação ao escritório advocatício contratado e o valor combinado. Tão logo o documento chegue, voltaremos com essa discussão. Enquanto isso, os serviços públicos, obras, e principalmente, a saúde, podem continuar seus planejamentos. Estamos no ano da saúde, além da Covid-19 precisamos voltar nossa atenção para outras doenças que estão aí. Não podemos admitir, por exemplo, que falte medicação básica para a população nos postos. Não podemos permitir pessoas morrendo ou entrando em crise por falta de médicos especialistas. Vamos acompanhar o investimento deste recurso e esperamos que, de fato, faça a diferença para Três Rios”, disse o presidente da Câmara de Vereadores de Três Rios, Rogério Camarinho.

Também nesta quinta-feira, foram aprovadas as contas de 2018 do Poder Executivo, com dois votos contrários: Fabiano Oliveira e Jonas Mascarenhas Macedo (Jonas Dico).